CCBA - Centro Cultural do Brasil em Angola

Rua Cerveira Pereira, 19

Baixa de Luanda, Coqueiros,

ao lado do Museu de Antropologia

Luanda

contactoccba@gmail.com

+244 931732214

  • Facebook - Black Circle

Embaixada do Brasil em Luanda

Av. Presidente Houari Boumedienne, 132

Miramar | Luanda

secretariado.luanda@itamaraty.gov.br 

+244 222442010

  • Facebook - Black Circle
Festival Literário Luso-afro-brasileiro - FESTLAB

Em alusão ao Dia Internacional da Língua Portuguesa, que é comemorado no início de maio, a Embaixada do Brasil em Luanda, através do Centro Cultural Brasil-Angola (CCBA), promove o Festival Literário Luso-afro- brasileiro –  FESTLAB, com entrada gratuita para o público em geral.

Edição 2019 - Em breve anunciaremos datas e temas! Não perca!

 

Na segunda edição, realizada de 15 a 18 de maio de 2018, os curadores do Festival Literário, o escritor angolano José Luís Mendonça e a Diretora do CCBA, Nidia Klein, definiram os seguintes temas para serem discutidos entre os mais de 17 convidados para comporem os debates, conforme programação abaixo:

 

15 de Maio (Terça-feira)

Sessão de abertura

17h – Chegada dos participantes e convidados

17h30 – Cumprimentos de boas-vindas e apresentação geral do evento ao público

17h40 – Discurso da Ministra da Cultura – Drª Carolina Cerqueira

18h00 - Discurso do Embaixador do Brasil – Paulino Franco de Carvalho Neto

18h15 – Convivialidade e Recital

18h30 - Início Debate

 

18h30 às 20h30

MEDIADORES DO PROCESSO DE LEITURA

1. As problemáticas do acesso ao livro – estantes materiais e virtuais; o mercado livreiro; taxação do livro importado

2. Alternativas de edição e publicação populares (livro de cordel e fanzines)

3. Tradição oral e contação de histórias (leitura dramática, teatralização e musicalização) como gatilhos para o despertar para a leitura

Moderação: Pedro Janja- Professor investigador da UNIPiaget

Debatedores: Mirna Queiroz- Brasil

António Fonseca - Angola

Domingas Monte - Angola

 

16 de Maio (Quarta-feira)

10h às 12h

LITERTURA INFANTIL

1. Equívocos derivados da iliteracia literária; literatura ou notícia moralista?

2. O fascínio da ilustração: técnicas, tendências, equilíbrio entre texto e imagem e convergência etária.

3. Literatura infanto-juvenil: um gênero esquecido? (Mala viajante; tradição oral)

Moderação: Teresa Mateus - Diretora do Centro Cultural Português - Instituto Camões Luanda

Debatedores: Marta Costa- Brasil

Hélder Simbad - Angola

Felipe Fortuna - Brasil

 

18h às 20h

O LIVRO COMO FERRAMENTA DIALÓGICA INTER-GERACIONAL

1. O livro como ferramenta dialógica inter-geracional

2. A função central da leitura como pressuposto da criação literária.

3. O acervo bibliográfico mundial historicamente constituído como voz viva dos seus autores: tradução como forma de diversificação de acervo.

4. Dilemas culturais da criação: os jovens e as minorias

Moderação: Vera Franco de Carvalho - Embaixatriz do Brasil

Debatedores: Josélia Aguiar- Brasil

José Luís Mendonça - Angola

Lopito Feijóo - Angola

 

 

Dia 17 de Maio ( Quinta Feira)

18h às 20h

LIVRO E TECNOLOGIA

1. Criação de uma rede de agentes culturais e recursos eletrônicos literários na CPLP

2. A tecnologia como aliada aos meios tradicionais de criação literária contemporânea – impactos e adaptações

3. Difusão literária – novas perspectivas – rádio, gadgets, aplicativos, audiolivros, etc

Moderação: Nidia Klein - Diretora Centro Cultural Brasil-Angola

Debatedores: Mbate Pedro- Moçambique

Orlando Piedade- São Tomé e Príncipe

Felipe Fortuna - Brasil

 

Dia 18 de Maio (Sexta-feira)

​18h às 20h30

LITERATURA E APROXIMAÇÃO DOS POVOS

1. Existirá uma interdependência entre Literatura e Desenvolvimento Social?

2. O que nos une e o que nos separa enquanto Literatura em Língua Portuguesa

3. O papel da literatura e do escritor na construção de um diálogo transversal entre os povos falantes do português

Moderação: José Luís Mendonça - Curador II Festlab

Debatedores: Flávia Amparo - Brasil

Maria João Cantinho - Portugal

Abraão Vicente - Cabo Verde

Ondjaki - Angola

O evento acontecerá no Centro Cultural Brasil-Angola – Rua Cerveira Pereira, 19 – Bairro Coqueiros, ao lado do Museu de Antropologia e é gratuito ao público.

O II Festlab tem o apoio da TAAG Linhas Aéreas de Angola, do Hotel Presidente, apoio cultural do Esplanada Grill, apoio institucional da Associação de Empresários e Executivos Brasileiros em Angola (Aebran) e da Ingresso Prático.

 

BIOGRAFIAS


ANGOLA


António Fonseca
Membro Fundador da Academia Angolana de Letras, de que é o Secretário-Geral, é membro da União dos Escritores Angolanos, foi co-fundador da Brigada Jovem de Literatura. Publicou Raízes, Sobre os Kikongos de Angola, Poemas de Raíz e Voz, Crónica dum Tempo de Silêncio, Contribuição ao Estudo da Literatura Oral Angolana, Histórias e Memórias Desancoradas ( traduzido para o espanhol), Contos de Antologia, Contos da Nossa Terra e Primo Narciso e Outras Estórias. É co-autor da Antologia de Narrativas Tradicionais. Figura em diversas antologias, que de prosa, quer de poesia, algumas das quais traduzidas. Possui colaboração dispersa em alguns jornais e revistas luandenses . 

Dirigiu a ENDIPU – Empresa Nacional do Disco e de Publicações de 1982 a 2004 e dirigiu cumulativamente o INALD – Instituto Nacional do Livro e do Disco de 1983 a 2004 com interregno de cerca de um ano. Exerceu igualmente a função de Secretário Geral do MINCULT. Dirigiu o Gabinete Jurídico do Ministério da Cultura de 2004 a 2006 e exerceu entre 2007 e 2009 a função de Diretor Nacional dos Direitos de Autor e dos Direitos Conexos e a de Diretor Geral do Instituto Nacional do Livro e do Disco e, posteriormente, até ao final de 2013, a função de Diretor Geral do Instituto Nacional das Indústrias Culturais. É consultor do Gabinete da Ministra da Cultura. É docente na Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto.

Domingas Monte
Autora do livro infanto-juvenil “O Gelado de Múkua da Mamita”. Mestre em Estudos Literários, Culturais e Interartes, ramo de Estudos Comparatistas pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto em Portugal, é licenciada em Línguas e Literaturas Africanas, ramo de literaturas africanas, pela Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Agostinho Neto em Angola é docente da Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto em Luanda, no curso de línguas e literaturas africanas. Foi jornalista e administrativa na rádio LAC, tem uma obra poética publicada em conjunto com um grupo de amigos, «O Perfume», possui poemas em antologias poéticas no Brasil. Co-autora do romance interativo «O cruzeiro da morte», co-autora da colectânea «Sonhos sem Fronteiras». Possui poemas no site Paralerepensar. Criou o Blogue Mwelo Weto, do qual é administradora.

Hélder Simbad
Angolano, de Cabinda. Professor de Língua Portuguesa e Literatura Africana do Segundo Ciclo de Ensino. É Coordenador Geral do Movimento Litteragris. Foi o vencedor do prémio António Jacinto, edição 2017.

Lopito Feijóo
Membro da União de Escritores Angolanos (UEA), escreveu os seguintes livros: Entre o Écran e o Esperma (1985), Menção Honrosa no concurso 
De Literatura "Camarada Presidente"; Me Ditando (s/d); Doutrina (1987) edição da UEA; Rosa Cor de Rosa (1987); Corpo a Corpo (1987); Cartas deAmor (1990); Meditando. Textos de Reflexão Geral sobre Literatura 
(1994). Reconhecido e prestigiado poeta e ensaísta, a sua obra figura em revistas e jornais nacionais e estrangeiros: brasileiros, portugueses, galegos, norte-americanos, entre outros.

José Luís Mendonça
Escritor com vasta obra publicada, e cujo mérito foi-lhe reconhecido pelo Prémio Nacional de Cultura e Artes em 2015. Licenciado em Direito pela Universidade Católica de Angola, a sua participação mais visível na construção da Polis angolana tem-se cingido, até ao momento, aos andaimes do
jornalismo, paixão esta que lhe valeria a atribuição, em 2005, do Prémio Notícias da Lusofonia CNN-Multichoice de Jornalismo Africano. Presentemente é diretor e editor-chefe de Cultura – jornal angolano de Artes e Letras.

Ondjaki
É membro da União dos Escritores Angolanos, membro honorário da Associação de Poetas Húngaros e da Japan International Dark Poetry Society. Na Galiza, foi agraciado com a palavra-amuleto “angolego”. Prosador e poeta, também escreve para cinema. Está traduzido para francês, espanhol, italiano, alemão, inglês, sérvio, croata, swahili, holandês e sueco. Escreve crónicas para jornais (Angola, Portugal, Brasil, Inglaterra) e, ocasionalmente, é (des)professor de escrita criativa .

BRASIL


Felipe Fortuna
Poeta, ensaísta e diplomata, é mestre em Literatura Brasileira pela PUC-Rio de Janeiro, com tese sobre o simbolismo brasileiro.
Estreou na poesia em 1986, com o livro “Ou vice-versa” e, desde então, publicou um total de 15 livros.

Flávia Amparo 
É Professora Associada de Literatura Brasileira da Universidade Federal Fluminense e do Colégio Pedro II (Rio de Janeiro, Brasil). Doutora em Literatura Brasileira, especialista na poesia de Machado de Assis. Publicou, As melhores crônicas de Josué Montello, os volumes Luiz Murat e Mario de Alencar, da série Essencial da Academia Brasileira de Letras, e Itinerários da palavra. Sua pesquisa atual se concentra nos estudos de Literatura – teoria e crítica literária – assim como analisa as suas contribuições para o letramento e o ensino de Língua. 

Josélia Aguiar 
É jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (BA), mestre e doutoranda em história pela Universidade de São Paulo (USP). Na Folha de S. Paulo, foi repórter, redatora e correspondente em Londres. Editou a EntreLivros, revista mensal sobre livros entre 2005 e 2008. Foi curadora do Festival da Mantiqueira (2014) e é pelo segundo ano curadora da Festa Literária Internacional de Paraty (2017-2018). Escreveu a biografia do escritor Jorge Amado, projeto iniciado em 2011, cujo lançamento ocorrerá julho deste ano.

Marta Morais da Costa 
Graduou-se em Letras pela UFPR, fez mestrado e doutorado na USP na área de literatura brasileira, com dissertação sobre a dramaturgia de Roberto Gomes (1882-1922) e tese sobre a história do teatro em Curitiba. Tem dezenas de artigos publicados em revistas nacionais. É pesquisadora da Cátedra UNESCO de Leitura PUC-Rio. Ocupa a cadeira nº 27 de Academia Paranaense de Letras.

Mirna Queiroz 
É jornalista e editora, com mestrado em Estudos
Culturais pela Universidade de São Paulo (USP). É fundadora e
diretora executiva da revista Pessoa (www.revistapessoa.com), voltada para a literatura contemporânea de língua portuguesa. É curadora da programação da Fundação Roberto Marinho/Museu da Língua Portuguesa para as edições 2017/2018 da FLIP - Festa Literária Internacional de Paraty.

CABO VERDE


Abraão Vicente
Atual Ministro da Cultura de Cabo Verde. É sociólogo de formação, pintor e fotógrafo autodidata com exposições em vários países e presença em coleções privadas de renome. Foi jornalista e cronista do jornal cabo-verdiano A Nação e concebeu e apresentou programas televisivos para as televisões local e portuguesa. É natural da Ilha de Santiago, Cabo Verde, mas estudou sociologia na Universidade Nova de Lisboa. É autor do romance O Trampolim, dos livros de poesia E de Repente a Noite e Amar 100 Medo, Cartas Improváveis & Outras Letras, da coletânea de crónicas Traços Rosa Choque, e do livro de poesia em prosa 1980 Labirintos. O autor participa, também, na coletâneas de contos Dez Contos Para Ler Sentado, entre outras.

MOÇAMBIQUE


Mbate Pedro 
É autor de vários livros de poemas, com destaque para: Minarete de Medos e Outros Poemas, Debaixo do Silêncio que Arde , Vácuos e Os Crimes Montanhosos . Com Debaixo do Silêncio que Arde foi agraciado com o Prémio BCI (para o melhor livro do ano publicado em Moçambique) e com uma menção honrosa do Prémio Glória de Sant’Anna (Portugal). Tem os seus textos (poemas e ensaios) dispersos em várias revistas literárias e jornais e tem colaboração em diversas antologias. 

PORTUGAL


Maria João Cantinho
Doutorou-se em Filosofia Contemporânea na Universidade Nova de Lisboa. É professora do ensino secundário e leccionou no IADE entre 2011/2016. É investigadora do CFUL na Universidade de Lisboa e no Centre d’Études Juives da Sorbonne. Publicou 4 livros de ficção, 4 de poesia e foi finalista do Prémio Telecom em 2006, com a obra “Caligrafia da Solidão”. O seu último livro, “Do Ínfimo” conquistou o Prémio Literário Glória de Sant’Anna e foi nomeado como finalista no Prémio de Poesia do Pen Clube Português. 

SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE


Orlando Piedade
É autor da obra “O Amor Proibido”, um romance baseado na história da
colonização em São Tomé e Príncipe, publicado pela editora Colibri em 2011.
É ainda autor da obra “Os Meninos Judeus Desterrados” – prémio literário Francisco José Tenreiro 2015, o seu último romance, publicado em Dezembro de 2014 pela mesma editora, onde aborda a história de cerca de duas mil crianças judias enviadas, em 1493, para povoar as ilhas de São Tomé e Príncipe.